Cart

Your Cart is currently empty.

Fill Cart with Goods

Binance registra 40.000 novos usuários após estreia em Uganda

A exchange de criptomoedas Binance, uma das maiores do mundo, registrou 40.000 novos usuários em sua nova plataforma em Uganda, na África Oriental, somente na primeira semana de atividade, reportou a Coindesk nesta quinta-feira (01).

O resultado, contudo, não surpreende, visto que a cada quatro cidadãos ugandenses pelo menos três não possuem conta em instituições financeiras. No entanto, o número pode ser bastante expressivo se for considerado o momento atual da criptoeconomia que permanece estagnado.

Esses primeiros resultados sugerem, segundo o site, um forte apetite entre os ugandenses sem conta bancária pela compra de bitcoin (BTC) e ethereum (ETH), duas das mais importantes criptomoedas do mercado.

Elas já estão listadas em pares com a moeda local, o xelim ugandês (UGX), além de seu token nativo BNB.

A espera acabou’ é porque a empresa já havia anunciado há quatro meses a abertura da bolsa em Uganda. Durante o período, a exchange distribuiu tokens BNB para os primeiros que se cadastraram.

A plataforma de Uganda é parceira de um provedor local de pagamentos móveis que converterá fiat em criptomoeda e vice-versa.

O novo parceiro da Binance pediu à Coindesk que não divulgasse seu nome devido a preocupações com a gestão de grandes quantidades de dinheiro.

Wei Zhou, diretor financeiro da Binance, disse à reportagem:

“[Os novos usuários ugandenses] eles só precisam ter dinheiro dentro do sistema de pagamento móvel. Eles não precisam ter contas bancárias”.

Os possíveis novos clientes da Binance passam agora pela fase de identificação e conhecimento do usuário (KYC) e terão que apresentar seus documentos de identidades emitidos pelo governo de Uganda.

Outras virão

Kwame Rugunda, presidente da Associação Blockchain de Uganda e cofundador do grupo Crypto Savannah, disse à reportagem que desde que a Binance foi anunciada no país várias outras bolsas globais começaram a entrar em contato com os órgãos reguladores locais.

Antes, os ugandenses que queriam negociar criptomoedas dependiam, em grande parte, de intercâmbios entre pares, como o da LocalBitcoins ou o da exchange do Zimbabué, Golix, por exemplo.

O executivo da Binance também revelou à reportagem que a empresa está procurando contratar funcionários para atuarem nos novos projetos, visto a iminente expansão de subsidiárias similares em 2019 para o Quênia, Nigéria e África do Sul.“Uganda é o nosso pontapé inicial para alcançar outros mercados africanos”, disse Zhou.

Projeto vem desde o início do ano

Desde abril, a Binance não tem medido esforços para alcançar o mercado africano, quando revelou que estava desenvolvendo um projeto para implantar a tecnologia blockchain em Uganda.

Anunciado pelo CEO Changpeng Zhao em 22 de abril, CZ, com assim é conhecido disse que o projeto buscava “apoiar a transformação econômica” do país “e o emprego da juventude através do blockchain”.

Uganda cresce economicamente

Países em desenvolvimento, como Uganda, são vistos como oportunidade para empresas do setor financeiro relacionadas ao blockchain. No entanto, Uganda é um dos países mais pobres do mundo.

Em compensação, um estudo da Poverty Assessment de 2016, do Banco Mundial, mostrou que o desenvolvimento econômico do país tem evoluído a passos largos.

Comments